Atriz brasileira promove idioma entre crianças


Bia Borinn como a vilã cômica Úrsula na série ‘Experimentos Extraordinários’, exibida na TV Cultura (Foto: Divulgação)
Bia Borinn como a vilã cômica Úrsula na série ‘Experimentos Extraordinários’, exibida na TV Cultura (Foto: Divulgação)

Na telinha brasileira, ela encarna a vilã cômica Úrsula da série “Experimentos Extraordinários”, atualmente exibida pela TV Cultura. Na vida real, a atriz brasiliense Bia Borinn é bem mais fofa. Junto com o marido – o também ator Eduardo Munniz –, ela conta histórias infantis em português voltadas para a comunidade mirim no exterior.

Os quase 20 episódios narrados pela dupla podem ser conferidos gratuitamente no podcast “História de Boca”, hospedado no Spotilfy. Lá, é possível encontrar episódios com João e o Pé de Feijão, Chapeuzinho Vermelho, Os Três Porquinhos, Pinóquio, João e Maria, Mula sem Cabeça, Saci, Iara, Princesa da Pedra Furada, Curupira e Peter Pan.

A audiência infantil está espalhada por 39 países: “Recebemos recados de crianças da Alemanha, Dinamarca, República Tcheca, Itália, Austrália, Estados Unidos e do Brasil. Na pandemia vimos como esse trabalho é importante. Tiramos a meninada da frente das telas para elas soltarem a imaginação e ouvirem a língua de herança, como é o caso dos meus dois filhos, que moram no exterior conosco”, conta a atriz radicada nos EUA desde 2014.

Há três anos, ela fundou a Brazilian Play and Learn com uma amiga em Los Angeles, a atriz paulista Mariana Leite. Ambas são formadas em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. A empresa oferece aulas individuais e para grupos, tanto presenciais quanto online. “Até agora, já tivemos mais de 200 alunos. Fazemos também eventos para as famílias, como festa junina, Carnaval, Dia das Crianças. Queremos manter viva a nossa língua e nossa cultura, principalmente para as crianças”, conta a brasiliense.

Retorno à tela

Bia voltou às telinhas no Brasil no mês passado, quando “Experimentos Extraordinários” estreou na TV Cultura. Gravada em 2014, a série foi exibida na época no canal Cartoon Network e depois na Netflix. Trata-se de uma sitcom infanto-juvenil que mostra os bastidores de um programa de TV sobre experimentos científicos caseiros. Bia interpreta a vilã Úrsula, dona da emissora fictícia, que está sempre botando defeito em tudo e todos.

“Viver a Úrsula foi um grande desafio, porque eu sempre fui rotulada de ‘fofa’ e ‘delicada’. E ela é o oposto! Então, tive que expor coisas sobre mim que só mostro dentro de casa (risos). Minha mania de controlar, minha falta de paciência. E foi uma delícia! Atuar é se expor. É arriscar. Então foi muito libertador também”, confessa. 

Bia tem um vasto currículo que inclui atuações em comerciais, longas, e também como apresentadora. Entre 2008 a 2009, comandou seu primeiro programa ao vivo, o “HitTvê”, na Rede TV!.

Tendo como inspiração e referência personalidades brasileiras que ultrapassaram fronteiras, como Wagner Moura e Alice Braga, a atriz quer representar seu país mundo afora: “Quero exercer minha brasilidade, expandir o conceito do que é ‘ser brasileiro’, que ainda é muito limitado em Hollywood”, afirma Bia.

Atualmente, ela prepara uma série exclusiva para o IGTV que se passará em Santa Mônica, cuja protagonista é uma brasileira. “Espero, por meio dessa micro-série, quebrar um pouco esse estereótipo de mulher brasileira-morena-gostosa do samba. Vai ser em inglês, com legendas em português, claro. Quero rodar este ano para estrear em 2021. Sem pandemia, de preferência (risos).”


ACONTECE NA PANDEMIA

CONSULADO

O Consulado-Geral do Brasil em Los Angeles já restabeleceu a prestação de alguns serviços não-emergenciais por correio. Os atendimentos presenciais só estão sendo realizados para serviços específicos mediante confirmação de agendamento por email. Confira a listagem no site losangeles.itamaraty.gov.br. O atendimento telefônico funciona das 9h às 13h, mas o contato deve ser preferencialmente feito por email.

CONCURSO DE FOTOGRAFIA

As inscrições (gratuitas) para o III Concurso de Fotografia Retratos das Comunidades Brasileiras, com o tema “Imagens de 2020”, estão abertas até terça (4). A imagem deverá ser original e inédita, feita com câmera ou celular. As fotos selecionadas farão parte de uma exposição virtual e serão futuramente expostas no Espaço Cultural Vinicius de Moraes, com visitação aberta ao público. Mais informações em losangeles.itamaraty.gov.br.

DELIVERY

Ser aprovado em um treinamento de manipulador de alimentos pode virar requisito para trabalhar com serviços de entrega de aplicativo em Los Angeles, tais como Instacart e Uber Eats. A diretoria do Conselho de Supervisores do Condado de L.A. solicitou um estudo ao Departamento de Saúde Pública sobre a viabilidade de implantação da regra para a categoria. O relátorio será avaliado no início de agosto. Atualmente, esse treinamento leva cerca de 2 horas e é válido por três anos.

FURTO DE CARROS

Embora crimes em geral tenham diminuído desde meados de março, os furtos de veículos dispararam no condado de Los Angeles. Em junho, 2.055 veículos foram roubados, quase o dobro do registrado no mesmo mês em 2019. É o maior índice trimestral já registrado pela polícia em cerca de uma década. Os bairros com mais ocorrências são Boyle Heights, Sun Valley e Van Nuys. Por incrivel que pareça, a maioria dos carros são recuperados perto de onde desapareceram: “As pessoas estão usando-os apenas para transporte. Eles estão pegando um carro aqui e dirigindo até lá, como um Uber”, conta um tenente da LAPD.

PARQUES TEMÁTICOS

Disneyland (Foto: Gabriela Egito)
Disneyland (Foto: Gabriela Egito)

A Disneylândia, na Califórnia, deve perder 32 milhões de visitantes até 2021, por conta da pandemia. A estimativa é de analistas da Cowen and Company, em Wall Street. Ao todo, os parques da Disney nos EUA deixarão de lucrar com 100 milhões de visitantes durante esse período. Já os analistas da Goldman Sachs são mais otimistas: acreditam que a receita da Disney nesse setor seja recuperada até 2022 ou 2023. Em Anaheim, a unidade permanece fechada. Os quatro parques na Flórida reabriram este mês, mas com restrições de capacidade.

IMPOSTO PARA RICOS

Democratas no Legislativo estadual da Califórnia querem arrecadar bilhões de dólares para melhorar as escolas de ensino fundamental e médio e vários serviços governamentais vitais para a recuperação do Estado da pandemia de Covid-19. O montante viria de um aumento significativo de impostos sobre rendimentos tributáveis de milionários. A taxação só atingiria quem ganha US$ 1 milhão ou mais por ano e o percentual aumentaria progressivamente para ganhos acima de US$ 2 milhões.

ANTI-MÁSCARA

Os youtubers Chad Kroeger e JT Parr se propuseram a “resolver a falta de máscaras” em Huntington Beach, cidade praiana a 50 km de Los Angeles cujos moradores são notadamente anti-máscara. O vídeo “Solving the Mask Shortage in Huntington Beach”, em que tentam distribuir o equipamento gratuitamente na orla sem sucesso, já tem quase 2 milhões de visualizações. Eles ouvem as explicações mais esdrúxulas, além de insultos, por parte de moradores. É bom ressaltar que é obrigatório usar máscara em locais públicos em Orange County. Além disso, o condado tem o segundo pior surto de Covid-19 da Califórnia.

PRÓ-MÁSCARA

A grande maioria dos californianos – 74% – acredita que as pessoas sempre devem usar máscaras em público para impedir a propagação do coronavírus. Dois terços dizem que apóiam o movimento Black Lives Matter. E 60% dizem que o racismo é um grande problema no país hoje, de acordo com pesquisa recente do Instituto de Políticas Públicas da Califórnia, uma instituição sem fins lucrativos.

RECORDE

A Califórnia tem agora o maior número de casos confirmados de coronavírus dos EUA. O Estado mais populoso do país ultrapassou Nova York na semana passada, registrando mais de 422 mil casos. Entretanto, tem pouco mais de 8 mil mortes por Covid-19 (cerca de 90 por dia), ou seja, apenas 25% do número de mortos em NY.

TESTES RESTRITOS

Está mais difícil para californianos que não apresentam sintomas da Covid-19 fazerem teste para o coronavírus. O Estado quer investir mais na testagem setorizada (em locais de maior risco ou com surto), além de priorizar quem já apresenta sintomas graves. A medida visa reduzir o tempo de espera por resultados na Califórnia, que vem experimentando uma explosão de casos nas últimas semanas ao mesmo tempo em que fornecedores nacionais de material para laboratórios encontram dificuldades para dar conta da crescente demanda. Segundo levantamento do Instituto de Saúde Global de Harvard, o volume de testagem no Estado é de apenas 34% do que seria adequado, embora esteja entre os 10 que mais testam por 100 mil habitantes nos EUA.

REABERTURA

Nas últimas duas semanas, em média 7,5% das pessoas testadas na Califórnia deram positivo para coronavírus. A Organização Mundial da Saúde diz que esse número deve estar em 5% ou menos por pelo menos duas semanas para que um local possa começar a retomar suas atividades de forma segura.

IMPASSE ESCOLAR

As altas taxas de positividade de testes em grandes comunidades urbanas tornam temerária a reabertura de escolas. Por isso, a Califórnia avisa que todos devem se preparar para oferecer ensino à distância (ao invés de presencial), caso a pandemia não ceda. O Distrito Escolar Unificado de Los Angeles, o segundo maior do país, já disse que seus campi não serão reabertos no início do ano letivo para proteger seus alunos. Por outro lado, isso poderia reforçar disparidades. Mais de 50 mil estudantes negros e latinos não vêm acompanhando as aulas virtuais desde março.

SEGUNDA ORDEM

Los Angeles foi uma das primeiras metrópoles do país a impor uma ordem de ficar em casa e pode se tornar a maior cidade dos EUA a instaurar uma segunda ordem em breve, se os casos de coronavírus e hospitalizações não desacelerarem. Segundo a diretora de saúde pública do condado de L.A., Barbara Ferrer, há três razões pelas quais as pessoas estão sendo infectadas: aglomerações, locais de trabalho e pessoas que não levam a doença a sério. Os mais jovens (menores de 41 anos) respondem por 52% dos casos.


mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • chat
    Adicionar um comentário