Karol Eller vira ré por calúnia e porte ilegal de armas


A youtuber Karol Eller (Reprodução/Instagram)

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro aceitou nesta sexta-feira (24) a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Rio  (MP-RJ) contra a youtuber bolsonarista Karol Eller e a namorada, a policial civil Suellen Santos, por denunciação caluniosa, porte ilegal de arma de fogo e, apenas no caso de Karol, lesão corporal. Com a aceitação da denúnica pelo TJRJ, as duas mulheres se tornam rés na ação penal movida no caso.

Conhecida por ser defensora do governo de Jair Bolsonaro, Karol se envolveu em uma briga na Barra da Tijuca no final de 2019. 

Karol e a namorada foram até a Polícia Civil e prestaram depoimento dizendo que a briga foi motivada por um caso de homofobia de um homem contra o casal. 

Entretanto, imagens da câmera de segurança do quiosque em que ocorreu a confusão mostraram que Karol foi quem atacou o rapaz primeiro, motivada por ciúmes da namorada. Um funcionário do quiosque ouvido pela polícia também teria contado que Karol estava “alterada” e mexia em uma arma.

Um áudio obtido pelo MP-RJ do celular de Karol, comprovou que ela confessou a um jornalista que nenhum momento o homem se dirigiu a ela com ofensas homofóbicas. Dias após o incidente, a Polícia Civil já havia descartado a hipótese de homofobia e afirmava que a youtuber teria iniciado as agressões. Elas terão dez dias para apresentar defesa.

Atualmente,  Karol Eller, que já morou Flórida e é figura popular entre os brasileiros da região, trabalha como conteudista na Empresa Brasileira de Comunicações (EBC), cargo que recebeu do presidente Bolsonaro em recompensa ao apoio prestado durante a campanha de 2018.


mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • chat
    Adicionar um comentário