Pastor brasileiro é preso sob acusação de terrorismo em Massachusetts


Douglas Gonçalves (foto: Natick Police Department)
Douglas Gonçalves (foto: Natick Police Department)

Douglas Gonçalves, 30 anos, de Alpercata (MG), foi preso em sua casa na cidade de Natick, em Massachusetts, no último dia 5 de fevereiro. Ele está sendo acusado de terrorismo que, segundo a Natick Police Department, teria sido praticado contra funcionários da rede de supermercados Wegmans.

O brasileiro é pastor auxiliar na igreja Philadelphia Ev. Church e mora nos EUA há um ano e meio com a família. Ele trabalhava no Instacart, um serviço no qual as pessoas fazem compras pela internet em supermercados e a empresa envia um personal shopper para retirar os produtos e entregar aos clientes.

Segundo o xerife à frente do caso, David Buono, de Medford, no dia 28 de janeiro, a Instacart demitiu Gonçalves e ele atribuiu a demissão a reclamações feitas por funcionários do Wegmans sobre seus serviços.

Ele teria enviado e-mails dizendo que iria entrar atirando no supermercado, o que a políticia considerou uma ameaça terrorista. Além disso, Douglas também foi acusado de posse de documentos fraudulentos, pois usou uma identidade falsa enquanto trabalhava.

Em uma transmissão ao vivo no Facebook, a esposa do mineiro, missionária Daiana Alves, rebateu as acusações da polícia: “esse e-mail não existe, se existe não foi enviado pelo meu marido, as acusações que eles fizeram eram acusações falsas”, disse “meu marido é um servo de Deus”,acrescentou.

Ela disse que, após a prisão, a família foi expulsa do apartamento em que morava e agora precisam da ajuda da comunidade para pagar despesas correntes. Além disso, eles não dispõem de recursos para pagar os honorários do advogado de defesa de Douglas, que somam $12,5 mil.

Ele está preso sem direito a fiança e irá comparecer diante de um juiz do tribunal de Natick nesta quarta-feira (17).


mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • chat
    Adicionar um comentário